quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Fora Sarney 2

Fora Sarney dia 22 em todo Brasil as 14 h

* São Paulo - vão do MASP,
* Rio de Janeiro - Concentração e Saída do Metrô - Estação Flamengo
* Porto Alegre - Arco da Redenção
* Belo Horizonte - Praça Sete
* Londrina - Calçadão em frente ao Banco do Brasil;
* Florianópolis - Trapiche da Beira Mar Norte;
* Recife - Avenida Conde da Boa Vista, em frente ao shopping Boa Vista;
* Curitiba - Boca Maldita
* Vitoria - frente ao Shopping Vitoria;
* Goiania - Praça Universitária
* São Luís - Praça João Lisboa (saída às 13h)
* Brasília - Concentração Catedral de Brasília (esplanada dos ministérios)
* Natal - Praça Vermelha
* Salvador - Avenida Oceânica – Ondina (em frente ao Colégio ISBA)

5 comentários:

  1. Vocês estão nessa mesmo?
    Nesse circo armado pela Rede Globo e pela MTV?
    Esse movimento Fora Sarney e furado, é uma estratégia para atingir o Lula e de quebra a Dilma, e beneficiar o Nosferatu.
    Vi na MTV cenas do primeiro protesto nacional, na Paulista, até o apresentador desta TV criticou o povo que estava ali "protestando", 90% sequer tinha noção do que de fato se tratava. Estavam ali por farra.
    O problema do senado é estrutural e não é tirando o Zé Ribamar que vamos resolver alguma coisa. E no mais, o vice de Sarney é Maconi Perilo, tão bandido quanto o atual presidente do senado, tem até acusação de homicídio nas costas, basta conferir na web.

    ResponderExcluir
  2. Em contrapartida ao que diz o cappacete, estive no protesto daqui de Porto Alegre, local de nascimento do site www.forasarney.com, conheci o criador do site e dono do perfil @forasarney no twitter!!
    O movimento tem se intensificado na internet. Os locais de protesto, datas e horários são definidos e comunicados via Twitter, Orkut, Facebook, blogs e o próprio site.
    Aqui em Porto Alegre, teve com palavras de ordem a frase "Você aí parado, também vai ser roubado!!", então faça a sua parte!!
    Pelo menos aqui, não há apoio das televisões, nem Band, nem Record e nem RBS, afiliada da Rede Globo.
    Sendo o que tinha para dizer, agradeço o espaço e o apoio ao movimento!!!

    ResponderExcluir
  3. Fora Sarney? Fica Perillo, Jereisait, Agripino, Desmostenes,ACM JR, Heraclito,etc, etc.

    Não obrigado!

    O Fora Sarney é apenas um instrumento da direita e da ultra-esquerda (manipulada pela direita)para desetabilizar o gov. Lula e a sua candidata

    PSDB, FHC e Serra nunca mais!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Concordo com o capacte e o Luiz.
    Participei do fora Gilmar Mendes, até ele ser aparelhado pelos míopes do PSOL.

    ResponderExcluir
  5. Pessoal é de arrepiar a entrevista do Presidente Lula neste Link
    http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/lula-propoe-uma-consolidacao-das-leis-sociais/ — vou colocar 2 trechos para so terem um ideia.
    “Nunca ouvi falar de ´risco Serra´ (risos). Posso falar de cátedra. Sofri com o ´risco Lula´ desde 1989. Em 1994, eu tinha 43% nas pesquisas em março e o que eles fizeram? Diminuíram o mandato para quatro anos e proibiram mostrar imagem externa no programa eleitoral. As pessoas pensam que esqueci isso. Quando chegaram as eleições para a prefeitura (em 1996), revogou-se a lei e todo mundo pôde mostrar imagens externas. Quando eles ganharam, aprovaram a reeleição. Então, essa coisa de ´risco Lula´ eu conheço bem.”
    “Em cem anos a elite brasileira fez 140 escolas técnicas. Como é que esse torneiro mecânico faz 114? Estamos criando um paradigma. Fui ao Rio Maranguapinho (no Ceará) um dia desses. Estamos colocando lá R$ 390 milhões para fazer saneamento básico. Em Roraima são R$ 496 milhões para fazer saneamento e dragagem. Você sabe quanto o Brasil inteiro gastou em 2002 em saneamento?
    Valor: Quanto?
    Lula: R$ 262 milhões. Então, estamos colocando num bairro de Fortaleza o que foi colocado no Brasil inteiro naquele ano.”
    olha o Sr. Luiz Inacio Lula da Silva realmente é o Cara, O Obama não brincou não.

    ResponderExcluir

Manifesto do Movimento Saia às Ruas

Luz em nossa democracia inacabada

Há 30 anos o Brasil iniciou um processo árduo de transição democrática. Combatemos a ditadura militar a custa de sacrifício, sangue e lágrimas. O povo brasileiro, de maneira direta e contundente, disse não à opressão, não à desigualdade radical, não à pobreza. O símbolo de nossa vitória foi a Constituição de 1988, que estabeleceu as bases de um novo País. Um País que valoriza a participação social, que condena a discriminação de gênero, de raça e de classe. Queremos resgatar o espírito das Diretas! Uma democracia viva é aquela com o povo nas ruas!

O Judiciário é alicerce dos poderes de nossa República. O Supremo, como Corte Constitucional, representa isso em seu grau máximo. Entretanto, o que vimos no último ano foi uma “destruição” na imagem e na credibilidade do Judiciário. O presidente Gilmar Mendes conseguiu colocar a Suprema Corte do País contra o sentimento que está nas ruas! Além disso, contraria o pensamento do próprio tribunal que deixa de decidir como um colegiado e causa um prejuízo ao conjunto do Judiciário Brasileiro que passa a ficar desacreditado.

Nos últimos meses, temos sofrido calados ao dar-nos conta de que algumas das nossas conquistas mais nobres estão sendo ameaçadas. Sofremos porque percebemos que a Justiça ainda trata pobres e ricos de maneira desigual. Sofremos porque notamos que os privilégios de classe e o preconceito contra os movimentos sociais persistem na mais alta corte do Brasil. Nós nos sentimos traídos por quem deveria zelar – e não destruir – (por) nossa democracia: o Presidente do Supremo Tribunal Federal!

Ao libertar o banqueiro Daniel Dantas e criminalizar os movimentos populares, o Ministro Gilmar Mendes revela a mesma mentalidade autoritária contra a qual lutamos nos últimos 30 anos. O Brasil já não admite a visão achatada da lei, aplicada acriticamente para oprimir os mais fracos. O Brasil já não atura palavras de ordem judiciais – como “estado de direito”, “devido processo legal” ou “princípio da legalidade” – apresentadas como se fossem mandamentos divinos para calar o povo. Já não há espaço no Brasil para um Judiciário das elites, um Judiciário das desigualdades.

Sabemos que nossa luta não será fácil. No passado recente, lutamos contra a ditadura do Executivo e, a duras penas, vencemos. Lutamos contra a opressão ao Legislativo e pela liberdade da sociedade civil organizada e a nossa força também prevaleceu. Mas não conseguimos por fim ao autoritarismo judicial, hoje encarnado na postura do Ministro Gilmar Mendes. Mantivemos, no centro da democracia brasileira, a mão forte de uma instituição que oprime, que desagrega, que exclui. Chegou a hora de retomar a terceira batalha. O Judiciário ainda não completou sua transição para a democracia e a maior prova disso são as posturas do ministro Gilmar Mendes que ofendem e indignam a vontade da população.

O ministro Gilmar Mendes representa um autoritarismo e uma polêmica partidária-ideológica que não coadunam com a nova luz democrática que as ruas querem para este tribunal. Você se lembra de algum partido político que lançou uma nota em apoio a algum presidente do Supremo em outro momento desse país como fez o DEM? Como esse ministro irá julgar agora os processos contra esse partido? Essa partidarização das questões nas quais o ministro Gilmar Mendes está envolvido mina sua credibilidade como juiz isento e imparcial.Sua saída indicaria renovação e o fim de atitudes coronelistas e suspeitas infindáveis que recaem sobre ele (ver abaixo “SUSPEITAS QUE RECAEM SOBRE GILMAR MENDES”)

Por isso, a voz das ruas está pedindo a saída do presidente do STF Gilmar Mendes. Não admitimos mais a presença de juízes que não tenham imparcialidade, integridade moral, espírito democrático-republicano e reputação ilibada para decidir nesta corte. Uma nova luz, democrática e ética deve surgir no STF!

Nas ruas e nos campos, nas capitais e no interior deste País, milhões de brasileiros escondem uma dor cortante dentro de si. Nossa dor é uma dor moral, que nos corrói a alma e nos aperta o coração. Sofremos por nossa democratização inacabada expressada no presidente do Supremo que, a pretexto de defender direitos individuais, criminaliza movimentos sociais e beneficia banqueiros poderosos. A garantia dos direitos individuais não pode tornar-se desculpa para a impunidade reinante. Já que a soberania emana do povo, perguntem às ruas! Ministro Gilmar Mendes, você nos envergonha como povo! Precisamos de ministros que sejam respeitados pela maioria da população e tenham reputação ilibada. Precisamos de mentes que, além de técnicas, sejam democráticas e éticas.

É por isso que estamos aqui, em uma vigília por um novo amanhecer, para devolver ao Brasil a liberdade que nos tentam roubar. Não haverá uma nova luz sobre o Judiciário, enquanto não terminarmos a luta que o povo brasileiro começou há 30 anos. Chegou a hora de concluir a transição democrática, de sair às ruas e iluminar a nossa história com novo choque de liberdade. O povo já tirou o Collor e tirará Gilmar Mendes!
Saia às ruas Gilmar Mendes e não volte ao STF! Viva o povo brasileiro!

Movimento Saia às Ruas.


Seguidores